Como tratar e prevenir as estrias

Dra. Tathya Taranto / Foto Lucas Bacelar

As estrias incomodam muito, tanto mulheres, quanto os homens e são mais chatinhas de tratar, mas não desanimem, é possível.

A dermatologista Tathya Taranto, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), enviou um texto bem esclaredor sobre as incômodas estrias, que publico na íntegra abaixo.

“Embora mais comum em mulheres, as estrias também aparecem nos homens, podendo surgir na adolescência, mais comuns nas costas e nos braços, e naqueles que malham pesado, surgindo nos ombros. As estrias são cicatrizes causadas por ruptura das fibras elásticas e colágenos presentes na derme e são motivo de incômodo para muitas pessoas. Esses danos geralmente são causados por estiramentos abruptos da pele, que geram ruptura dessas fibras, deixando marcas lineares no local. Elas podem coçar e arder, mas em geral aparecem de forma silenciosa e sem nenhum sintoma aparente. Podem ser classificadas em recentes e antigas. A primeira é caracterizada pela cor rósea ou púrpura e, a segunda, pelo aspecto esbranquiçado.

Diversos fatores contribuem para o seu aparecimento, mas basicamente ela surge quando há algum esticamento de pele, resultado do aumento rápido de peso, gravidez, colocação de silicone, distúrbios hormonais ou uso de anabolizantes. Vale lembrar que fatores genéticos e uso prolongado de alguns medicamentos também estão associados ao surgimento de estrias.

Entre as perguntas mais frequentes de quem sofre do problema são: se é possível removê-las e se existem formas de evitá-las. Só é possível responder essas questões após consulta com um dermatologista. Depois de examinar o paciente poderemos definir o melhor procedimento e realizar o tratamento mais adequado para o seu caso. O tratamento pode ser feito através de cremes com ácido retinoico, ácido glicólico ou com vitamina C, microdermoabrasão, radiofrequência, microagulhamento. Existem ainda vários tipos de luzes e lasers, como luz intensa pulsada, ND YAG, lasers fracionados não ablativos e ablativos, peelings. É importante ressaltar que ainda não existe nenhuma forma de curar as estrias. O que se pode fazer é melhorar sua aparência significativamente. É de extrema importância beber muita água e hidratar a pele, pois a hidratação e elasticidade são fundamentais para evitar o surgimento das estrias”.

 

Rugas verticais na testa

Marcas verticais da testa são de responsabilidade da posição na qual dormimos e podem ser resolvidas rapidamente, sem botox.

Sempre achei que as únicas marcas verticais que surgem na testa, são aquelas entre as sobrancelhas, fruto de expressão e tensão. Sabe aquele olhar mais sisudo, quando estamos preocupados, ou quando esprememos os olhos para enxergar melhor? Pois é, esse movimento, muitas vezes imperceptível, nos leva a contrair essa área do rosto e com o tempo surgem as marcas de expressão.

Agora, estão se referindo a rugas verticais na testa. Tenho que confessar que nunca reparei nisso. Não me lembro de já ter visto alguém com este tipo de ruga. Mas deve ter, sei lá. Enfim, recebi um material falando sobre o assunto e apesar do meu desconhecimento, resolvi publicar, afinal de contas, sempre estou aberta a novidades. Mas tenho que dizer que não encontrei nenhuma foto para ilustrar as rugas verticais e a a que veio junto com o material, mostra as marcas de expressão. O melhor é que o problema tem tratamento sem botox. Vale ressaltar novamente que não estamos nos referindo às marcas entre as sobrancelhas.

Segundo o dermatologista Abdo Salomão Jr., membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia, a posição de dormir pode influenciar em um tipo específico de ruga: as verticais. “Quando o assunto é ruga, é normal a associação a linhas horizontais formadas em razão do fotoenvelhecimento e expressões faciais. Mas as rugas verticais que se formam na testa estão ligadas à posição de dormir de lado, sendo a causa mais comum para o surgimento desse tipo de rugas. A pele sempre ‘dobra’ no mesmo local e favorece o aparecimento dessas rugas”.

De acordo com o médico, essas rugas verticais se formam principalmente a partir dos 40 anos, mas podem aparecer também em pacientes com fototipos mais claros, aos 30. “Elas têm influência do envelhecimento celular, uma vez que quando a pele é jovem e tem elasticidade, ela contrai e volta ao normal sem criar o sulco, porque tem muitas fibras elásticas. À medida que o paciente envelhece, ocorre a diminuição dos níveis de fibras elásticas e isso acaba formando as rugas”, comenta o médico. “A única exceção é com a ruga médio frontal, aquela no meio da sobrancelha. Essas aparecem em pessoas muito expressivas, e também se formam verticalmente por contração da musculatura da região. Mas ambas têm influência do envelhecimento”, destaca.

Para resolver o problema, Abdo indica a tecnologia Megafocus, um ultrassom microfocado da plataforma Solon. “O Megafocus é menos invasivo, atinge o músculo enrijecendo e deixando mais firme a musculatura. E o procedimento costuma melhorá-las e também eleva a sobrancelha e muda a silhueta facial, promovendo lifting não cirúrgico”, explica.

“O Megafocus entrega pontos de coagulação térmica em uma série de linhas em duas profundidades: derme profunda (a 3mm de profundidade) e na camada muscular (4,5mm de profundidade). O aquecimento ocorre na derme e no sistema superficial do músculo aponeurótico. Com isso, o músculo sofre uma contração imediata ao ser atingido pelos pontos de coagulação. Isso produz um efeito lifting, que pode apresentar evolução no período de três meses após o procedimento, quando o novo colágeno continua a ser produzido”, destaca Abdo.

Como age de dentro para fora, sem causar danos à epiderme, a recuperação é imediata e o paciente pode voltar às atividades de rotina no mesmo dia. Apesar disso, o dermatologista explica que, nos locais tratados, pode ocorrer inchaço, eritema, hematoma ou apresentar formigamento e leve sensação de dor muscular. “Todos estes sintomas melhoram rapidamente”, completa. A ação do procedimento pode ser potencializada com o uso do laser Pro-Collagen, que age na derme mais superficial. “Com o uso dos dois equipamentos, há um rejuvenescimento completo com a eliminação dessas rugas”, afirma o médico.

As contraindicações são para gestantes, pacientes em tratamento com anticoagulantes, doença autoimune, diabetes, epilepsia, queloides e preenchedores.

Isabela Teixeira da Costa

Salvar

Hepatite C está mais presente do que se imagina

A Hepatite C é de fácil contágio, é silenciosa e mais mortal, transmissível e infeccioso do que o HIV. A boa notícia é que pode ser tratada com bons resultados.

 

O vírus da Hepatite C é desconhecido para a maioria das pessoas. Por ser uma doença silenciosa, pode causar doença sistêmica. É comprovado que é mais mortal, transmissível e infeccioso do que o HIV. Estima-se que no Brasil existam entre 1,4 e 1,7 milhão de portadores de Hepatite C. A maioria desconhece seu diagnóstico e poucos sabem como ocorreu a transmissão ou que exista tratamento para a doença.

A busca agora, é para conscientizar a população sobre prevenção, proteção e a necessidade de fazer o teste da Hepatite C. 80% dos portadores da doença têm mais de 40 anos de idade.

“Como o vírus só foi descoberto em 1988, os comportamentos e fatores de risco eram até então desconhecidos, o que favorecia infecções”, comenta Nelson Cheinquer, médico da Gilead no Brasil, biofarmacêutica que tem a Hepatite C (HCV) como uma de suas principais áreas terapêuticas de pesquisa e desenvolvimento.

Pelo fato da doença ser assintomática em 80% dos casos, ela se torna um problema de saúde pública, pois pode levar décadas para dar sinais e, quando se manifesta o estágio de comprometimento do fígado já está avançado.

Dra. Rosângela Teixeira

A maior especialista e grande pesquisadora e estudiosa do assunto é de Belo Horizonte e trabalha no Hospital das Clínicas, dra. Rosângela Teixeira (apesar do sobrenome , infelizmente não é minha parente). É impressionante sua dedicação pela profissão e pelos pacientes, que trata gratuitamente, sem distinção. Conheci Rosângela, pois tive três casos dessa doença bem próximos a mim, um primo, com a HCV e um tio com Hepatite B, ambos dentistas e pescadores. Hoje, estão curados graças à dra. Rosângela. Meu primo precisou fazer transplante do fígado e a dra. Rosângela foi quem ajudou em tudo, sem medir esforços. A terceira pessoa foi uma ex-empregada que descobriu a doença quando ficou grávida do seu segundo filho. Corri atrás de Rosângela Teixeira e ela cuidou tão bem do caso que o menino não foi contaminado pela doença.

A Hepatite C é a maior causa de cirrose, câncer e transplante de fígado no mundo. A HCV pode desencadear uma doença sistêmica. Estudos comprovam que o vírus aumenta os riscos do aparecimento de outras doenças como a Diabetes do tipo 2 e Linfoma.

O HCV é transmitido por contato com sangue infectado, sendo que os principais meios de transmissão são reutilização e esterilização inadequada de equipamentos médicos e outros, como por exemplo, os instrumentais usados por manicures; compartilhamento de seringas e agulhas, práticas sexuais de risco e transmissão vertical (da mãe para o filho). “Levar o próprio material para a manicure, utilizar seringas e agulhas descartáveis e usar preservativos em práticas sexuais de risco são medidas efetivas de proteção contra infecções”, explica Cheinquer.

O fato de ser tão transmissível se dá pela capacidade de sobrevida do vírus. Fora do corpo, permanece vivo por até quatro dias, podendo chegar a quase dois meses quando em ambiente fechado, como no interior de uma seringa, por exemplo.

Ainda no comparativo com o HIV, outros dois dados surpreendem. Desde 2007, a taxa de mortalidade por HCV supera a do HIV. Só no Brasil, calcula-se em torno de 3 mil mortes associadas à Hepatite C anualmente.

O bom é que a doença tem alta taxa de cura, inclusive quando descoberta em seu estágio mais avançado. “Mesmo pessoas com cirrose ou descompensação do fígado podem ser tratadas e o vírus erradicado. Nesses casos, contudo, o paciente pode precisar de outros tratamentos complementares”, afirma Cheinquer.

Esse problema é evitável com a descoberta e início do tratamento rápido, se necessário. “Mesmo que você não se enquadre em nenhum dos fatores de risco, deveria fazer o teste para Hepatite C pelo menos uma vez. É inclusive uma recomendação do Conselho Federal de Medicina que todos sejam testados”, recomenda o médico. “Agora, se você tem ou teve alguma das experiências que configuram risco – uso de drogas injetáveis, práticas sexuais de risco desprotegidas, etc –, é recomendado que faça o teste anualmente ou até a cada semestre”, completa.

Isabela Teixeira da Costa

Salvar

Cura da psoríase?

Registros do uso da loção hidratante da Pharmacure

Psoríase tem cura, ou só controle? Veja os relatos a seguir e saiba sobre um novo produto.

Vários leitores mandaram mensagens e comentaram o artigo sobre o tratamento da psoríase. Como o interesse foi grande, achei por bem transcrever os comentários, pois podem ajudar outras pessoas que sofrem com o mesmo problema.

O primeiro foi o José Carlos que disse ter dois amigos que foram curados da doença, porém não compartilhou conosco como foi esse tratamento e nem quem foi o médico que atendeu os amigos. Já entrei em contato com ele e estou aguardando retorno.

Já a leitora Ângela Rocha mandou um longo texto esclarecendo o assunto e dando uma informação bacana. “A psoríase tem aumentado muito e aqui em BH já existe um centro tratamento pelo SUS, inaugurado em 2014. Ajuda muito na divulgação e esclarecimento da doença, que gera preconceito das pessoas. (Sei bem o que é isso pois tenho psoríase desde os 7 anos de idade). A psoríase não pega, não é transmissível e pode ser “herdada” pelos filhos. Pode, isso não significa que necessariamente todos irão ter. Para o tratamento é muito bom tomar sol, viver com menos estresse, praticar alguma atividade física que ajude, e fazer um tratamento com fototerapia (luz) com recomendação e acompanhamento médico, caso não possa tomar sol. Existem tratamentos desde o mais simples até com remédios. A doença não tem cura total, mas existe bastante melhora.
Voltando ao centro de tratamento aberto pelo SUS, que atende a população que não tem como pagar, é o Centro Dermatológico exclusivo para o SUS. A notícia foi divulgada pelo Portal UAI, em 18/7/2014. ‘É inaugurado em Belo Horizonte o centro dermatológico exclusivo para o SUS. Nova unidade do Hospital da Baleia terá capacidade para 150 atendimentos por dia, contemplando patologias dermatológicas como o câncer de pele, psoríase e vitiligo. O Centro é fruto da parceria entre a Fundação Benjamin Guimarães/Hospital da Baleia e o Instituto Superior de Medicina e Dermatologia (ISMD), que investiu também em tecnologia. A unidade oferece tratamento de psoríase e vitiligo com equipamento de PUVA e UVB narrow band, fontes de luz que utilizam a combinação de medicamentos para o tratamento destas doenças. Para o câncer de pele e as lesões pré-malignas, haverá terapia fotodinâmica e com laser. Os encaminhamentos para consultas serão realizados via Rede Básica de Saúde’ .

Registros do uso da loção hidratante da Pharmacure

Existem alguns especialistas em Belo Horizonte, como o Dr. Aripuanã Cobério que é ótimo. Ele indica hidratar sempre a pele, principalmente no inverno onde aumentam as lesões.  A hidratação deve ser feita com cremes de ureia a 10% ou vaselina salicilada. Isso ajuda muito. Existem grupos de apoio no Facebook e uma comunidade no Brasil que trabalha para conseguirmos remédios mais baratos e tratamento gratuito pelo SUS e remédios para a população. Também estão pesquisando remédios biológicos e já estão divulgando os resultados. Não usem qualquer coisa que apostam em milagres, mas cuide principalmente do emocional, pois a psoríase é uma doença psicossomática e auto imune.”

 

O leitor Cristiano Araújo sofre com a doença há anos. “Controlo a psoríase com uma viajem por ano à praia. Tomo banho em aguas salgadas por cinco dias e passo azeite nos cotovelos, pernas e joelhos e ninguém nota as feridas ou os horríveis sangramentos que ocorrem quando coçam muito. A pomada Psorex também ajuda muito”.

Milton Campelo também compartilhu sua experiência: “Eu tenho psoríase, principalmente na cabeça, e há anos luto para diminuir as cascas. Fui a uma dermatologista há um mês e ela me indicou o shampoo Kertyol PSO Shampoo Ducray e uma loção manipulada para complementar. Em poucos dias sumiu praticamente tudo, usei poucos dias a loção porque não foi preciso. Sei que alguns remédios funcionam bem em algumas pessoas e para outras, não, para mim, foi uma beleza”.

Igor Corradi afirma que teve Psoríase, o que significa que não tem mais. “Fui ao dermatologista que indicou um shampoo chamado ‘Clob-X’. Usava na região da doença com o cabelo seco por 15 minutos, depois enxaguava normalmente. Depois de alguns dias a doença começou a desaparecer, até eu não precisar passar mais. Não recomendo fazer isso sem ir ao dermatologista antes”.

Já a leitora Renata afirma que curou sua psoríase com acupuntura.

Recebi um material bem interessante da Pharmacure, apresentando um novo dermocosmético que trata várias afecções dermatológicas, dentre elas a psoríase, com resultados incríveis comprovados por fotos dos pacientes que usaram o produto Postei duas fotos, mas é possível ver e ler todo o material sobre o produto no site www.pharmacure.com.br. É só entrar no link “Mídias e downloads” e ver a apresentação. Segundo as informações da empresa, a loção hidratante corporal 24 horas atua na psoríase e com quatro semanas de uso já é possível ver resultados.

A Pharmacure entrou em contato com o site e ofereceu dar um a loção gratuitamente para um de meus leitores, desde que seja permitido o acompanhamento e registro da evolução do tratamento. Quem entrar em contato primeiro, pelo meu e-mail, enviando seus dados, eu passarei para a Pharmacure.

Espero que estas experiências ajudem outras pessoas, e assim que obtiver resposta do José Carlos, transcreverei aqui.

Isabela Teixeira da Costa

Dor na coluna: Prevenção e Tratamento

Marco Antônio Ferreira
Marcos Antônio Ferreira

Devemos cuidar bem da nossa coluna.

Estou com a minha coluna em frangalhos. Tenho as cinco vértebras do pescoço comprimidas e agora começou a dor na lombar. Ou seja, estou arrebentada. E dói. Só quem tem problema na coluna sabe o quanto dói.

Descobri o problema no pescoço porque comecei a ter uma dormência nos dedos da mão e do pé, e chegou um dia que meu braço simplesmente não levantou mais. Fui tentar tirar uma blusa e não consegui. Tive que ir para o pronto atendimento.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), problema na coluna é a principal causa de afastamento do trabalho para quem tem menos de 45 anos. O INSS estima que existam 116 mil trabalhadores afastados do trabalho por este motivo no Brasil. Muitos casos são tratados cirurgicamente. Entretanto, as cirurgias são reservadas a casos raros e em problemas específicos. Publico hoje, uma entrevista com o médico Marcos Antônio Ferreira, presidente da Sociedade Brasileira de Coluna – Regional Minas Gerais, que fala sobre causas, sintomas, tratamento e dá dicas de prevenção.

Spine Vertebrae - Color PartsO que é dor na coluna?

É uma dor lombar que corresponde a uma dor na região mais baixa da coluna, mais próxima à bacia.

Quais as principais causas da dor na coluna?

A principal causa de dores lombares são as dores mecânicas, ou seja, dores associadas às sobrecargas musculares. São dores relacionadas principalmente com a obesidade, o sedentarismo, o excesso ou a inadequação nas atividades físicas, má postura e atividades de trabalho com sobrecarga do tronco. Outras causas mais raras associam-se a problemas relativos aos discos intervertebrais, traumas, infecções, doenças inflamatórias e tumores.

Qual a faixa predominante dos pacientes?

Adultos jovens, em geral com menos de 45 anos de idade.

Quais são os sintomas?

Os sintomas são as chamadas dores lombares nas costas, próximas à bacia, com irradiação nas nádegas e região posterior da coxa, porém sem ultrapassar os joelhos. Trata-se de uma dor que piora com a movimentação. Pode vir acompanhada de antecedente de trauma ou lesão mecânica.

Quais os avanços no tratamento?

O tratamento basicamente é conservador, ou seja, com medidas não-cirúrgicas, sendo esta uma exceção. As boas práticas de postura, exercícios físicos regulares e controle dietético mostram-se bastante eficazes na prevenção das dores.

Medidas fisioterápicas, osteopatia ou a quiropraxia comprovadamente são benéficas no tratamento das lombalgias. Além disso, medidas analgésicas farmacológicas e acupuntura são importantes coadjuvantes no tratamento. As cirurgias são reservadas a casos raros e em problemas específicos.

Quais são as dicas de prevenção?

Redução de peso, atividade física regular – com atenção à postura e aos excessos, manter postura ao dormir, ao levantar, ao elevar peso e nas atividades da vida diária. Quando for se deitar, mantenha-se em uma posição que não agrida as costas. Manter o corpo reto e barriga para cima. Um travesseiro embaixo dos joelhos pode ajudar na postura e dar conforto à posição. Se preferir dormir de lado, vire-se totalmente e acrescente um travesseiro entre as pernas, com os joelhos dobrados, e um travesseiro mantendo a altura dos ombros. Essa atitude aperfeiçoará a posição.

Ao levantar-se, caminhe pelo menos 30 minutos para impedir a volta de enrijecimento da lombar. Faça um alongamento das costas antes, que é levantar sempre virando para um dos lados da cama.

Outras dicas importantes: evite elevar peso de maneira inadequada, sempre flexionando quadril e os joelhos, permanecendo com a coluna ereta.

As mochilas escolares nunca devem ultrapassar 5% do peso corporal. Elas devem ficar na altura da transição do pescoço com o tronco. O uso de cintos para prendê-la, anteriormente, é muito benéfico, pois deixam as mochilas em contato direto com o dorso, evitando a sobrecarga de peso posterior

Uma boa dica também é sempre deixar os objetos que utiliza com mais frequência em locais mais altos de forma a evitar flexões repetidas da coluna. A tela de computadores deve estar no nível do campo de visão, assim como livros, evitando flexão contínua do pescoço. Deve-se também evitar más posições em sofás, na cama para ler livros ou ver TV. Na hora de calçar um sapato, faça isso sentado para evitar sobrecarga da coluna. Evite fumar, pois o cigarro atinge a musculatura e a própria coluna lombar.

Isabela Teixeira da Costa

Depressão é doença

depressaoDepressão será a doença que incapacitará as pessoas em todo o mundo.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), até 2020, a depressão será a principal razão, no mundo todo, que deverá incapacitar as pessoas acometidas pela doença. Atualmente, mais de 120 milhões de pessoas no mundo sofrem com o problema. Só no Brasil, são cerca de 17 milhões, sendo que aproximadamente 850 mil pessoas morrem, por ano, por causa da doença.
Segundo o psiquiatra e professor Mário Louzã, a depressão se caracteriza por vários sintomas: tristeza profunda e contínua, apatia, desânimo, perda do interesse pelas atividades que gostava de fazer, pensamento negativo (ideias de fracasso, incapacidade, culpa, pensamentos de morte), alterações do sono, falta de libido, e falta de apetite.
“A depressão costuma ser de caráter recorrente, de modo que a pessoa pode ter vários episódios ao longo da vida. Se não for tratada corretamente, pode se tornar crônica, fazendo com que a pessoa não tenha vontade nem de sair da cama, podendo até cometer suicídio”, explica Louzã.
“A depressão deve ser diferenciada da ‘tristeza normal’, decorrente de ocasiões tristes ou difíceis da vida. Esta, em geral, tem um perfil menos intenso, e tende a desaparecer com o tempo ou quando o problema é solucionado. Infelizmente, as pessoas ainda associam a depressão à fraqueza de caráter, e acham que podem -la com ‘força de vontade’. A verdade é que a depressão tem uma base neurobiológica, decorrente de um desequilíbrio do funcionamento de alguns neurotransmissores no cérebro”, esclarece o psiquiatra.
Por isso é tão importante procurar ajuda médica quando alguns sintomas começarem a se manifestar. “O tratamento da depressão envolve o uso de antidepressivos, associados à psicoterapia. Vale frisar que a depressão é, sim, uma doença grave, que pode se tornar crônica e que deve ser tratada”, diz Mário Louzã, “só assim, a depressão deixará de ser tão estigmatizada”.

Quase metade da população tem caspa

estresseUmas das principais causas de se ter caspa pode ser o estresse.

Com o nome médico de dermatite seborreica, aquelas casquinhas brancas que se soltam do couro cabeludo são popularmente conhecidas como caspas. Trata-se de uma inflamação responsável por produzir descamação da pele, normalmente na região do couro cabeludo, mas que pode também ocorrer no rosto, sobrancelha, nariz, orelha, peito, costas e virilha. Nunca soube disso, sempre pensei que essas pelezinhas no rosto não passavam de descamamento por ressecamento da pele.

Além de provocar coceiras, o pior é o constrangimento que dá por ela ficar visível nas roupas, pois as pessoas têm o costume de achar que se trata de falta de higiene. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, cerca de 40% da população mundial já teve ou tem o problema, sendo que os homens tendem a apresentar mais casos do que as mulheres.

A médica Cristiane Câmara Alves explica que a caspa pode estar associada também ao estresse e fatores emocionais, além da causa genética: ‘’é comum que pessoas passem a ter caspa depois de uma cirurgia ou da perda de um ente querido. Essas situações alteram a produção de hormônios, o que causa um aumento da oleosidade na cabeça. Depois de um tempo, quando o organismo volta a ter níveis hormonais regulados, a caspa desaparece’’.
Porém, segundo a dermatologista, se a doença não for tratada, pode evoluir para psoríase e, consequentemente, para uma infecção no couro cabeludo. “O problema é que muitas vezes a caspa é vista como problema estético e não como doença, e por isso as pessoas demoram ou não procuram tratamento”. O mais grave é que a calvície também pode ser umas das consequências da caspa, se não for tratada adequadamente.

É preciso ficar alerta aos sintomas: “oleosidade na pele e no couro cabeludo: “escamas brancas que descamam; escamas amareladas que são oleosas e ardem; coceira, que pode piorar caso a área seja infectada pelo ato de ‘cutucar’ a pele; leve vermelhidão na área e possível perda de cabelo”. Segundo Cristiane Alves, é possível controlar a caspa com o uso de xampus e cremes específicos. A médica sugere evitar banho muito quente e não estimular a umidade do couro cabeludo. “No inverno, o clima frio determina uma maior descamação do couro cabeludo, em função da maior velocidade de crescimento e maturação celular. Os banhos muito quentes também pioram o estado seborreico”, explica.

O estresse não é a única causa da caspa. A disfunção das glândulas sebáceas no couro cabeludo. Elas produzem excesso de oleosidade na raiz do cabelo, gerando a seborreia.

Caspa na orelha: A caspa na região da orelha pode ser combatida evitando banhos quentes demais e adotando produtos que contenham enxofre na composição ou loções de corticosteroides. Um médico poderá indicar o uso correto de acordo com seu caso.

A médica Cristiane Câmara Alves / Divulgação
A médica Cristiane Câmara Alves / Divulgação

Caspa no rosto: A dermatite seborreica na região do rosto pode ser tratada com uma limpeza regular, somente com água e sabão. Cremes e perfumes perfumados ou cosméticos que contenham álcool na composição podem agravar o problema.

Caspa na barba: Se o homem sofre com caspa na barba, o mais indicado é mesmo se barbear constantemente. Os pelos no rosto podem agravar a condição de dermatite seborreica. Caspa nos cílios: Conhecido como blefarite, a caspa nos cílios é uma doença crônica que causa inflamação na região. O problema geralmente piora com o frio, o estresse e a ingestão de alimentos gordurosos. Lavar os cílios com água e xampu neutro, uma vez ao dia, ajuda a acabar com o problema. Caspa na sobrancelha: Além de evitar o consumo de comidas gordurosas e bebidas alcoólicas, a caspa na sobrancelha pode ser combatida com xampu anticaspa durante o banho, evitando água quente demais.

O mais importante é procurar um dermatologista para fazer o tratamento correto, porém, seguem algumas dicas de como evitar a caspa:

  • Evitar banhos com água muito quente, pois ela estimula a oleosidade da raiz dos cabelos;
  • Evitar os alimentos ricos em gordura, açúcares, frituras e/ou em carboidratos refinados;
  • Beber no mínimo 1,5L de água por dia;
  • Evitar o estresse (esta é mais difícil);
  • Evitar dormir com os cabelos molhados ou úmidos;
  • Não esfregar com as unhas o couro cabeludo, pois isso poderá causar ferimentos na cabeça. Massagear com a ponta dos dedos, em movimentos suaves e circulares, e
  • Evitar o uso de bonés e chapéus.

abacateO vinagre é um ótimo tratamento caseiro para acabar com a caspa, pois ele possui ação antibacteriana. Existem duas formas distintas de aproveitar todas as propriedades do vinagre:

  • Molhar pedacinhos de algodão em vinagre e aplicar em todo couro cabeludo, deixando agir por até 2 minutos e lavando os cabelos depois, ou
  • Após a lavagem normal dos cabelos com água fria, aplicar um pouco de vinagre na raiz dos cabelos e deixar secar naturalmente a seguir.

Mais dicas de remédios caseiros:

  • Esfregar o sumo das folhas de couve no couro cabeludo
  • Aplicar o suco do tomate
  • Assar a polpa do abacate, espremer através de um pano fino e limpo, extraindo o óleo e esfregando no couro cabeludo duas vezes ao dia.
  • Abacate: faça massagens no couro cabeludo com polpa ou óleo de abacate (cru). Ajuda a reduzir a oleosidade, dando brilho aos cabelos.
  • Suco de dois limões com um copo de água. Fazer fricção no couro cabeludo diariamente
  • Polpa da folha da babosa.
Sálvia e alecrim
Sálvia e alecrim

Chá de sálvia e alecrim

O alecrim e a sálvia possuem propriedades anti-inflamatórias e antissépticas, ajudando a combater os fungos que provocam as caspas.

 Ingredientes : 2 colheres de chá de folhas de sálvia, 1 colher de chá de folhas de alecrim, 1 xícara de água fervente

Como usar: Adicionar as folhas de sálvia e alecrim em uma xícara de água fervente e deixar descansar por 10 minutos. Após esfriar, colocar em um recipiente com um pouco de xampu e mexer bem, usando a mistura para lavar o cabelo. Além disso, pode-se colocar o extrato alcoólico de sálvia nos principais focos de caspa várias vezes ao dia.

 

Isabela Teixeira da Costa

 

Fontes:

sites tuasaúde.com e remédio-caseiro.com e vix.com

livro 100 sucos com poderes medicinais