Busque ser feliz e andar com os felizes

A vida tem outro colorido quando tomamos a atitude de ser feliz e deixar de lado qualquer traço de infelicidade.

 

Outro dia, em uma reunião de amigas, uma delas leu para nós uma crônica da escritora Socorro Acioli, que retrata de uma forma muito verdadeira como são as pessoas felizes e como são as infelizes. Nesta época do ano que paramos para refletir sobre a vida e sobre nós mesmos, achei bem válido postar a crônica aqui.

 

Sobre os felizes

 

Socorro Acioli

 

Existem pessoas admiráveis andando em passos firmes sobre a face da Terra. Grandes homens, grandes mulheres, sujeitos exemplares que superam toda desesperança. Tenho a sorte de conhecer vários deles, de ter muitos como amigos e costumo observar suas ações com dedicada atenção. Tento compreender como conseguem levar a vida de maneira tão superior à maioria, busco onde está o mistério, tento ler seus gestos e aprendo muito com eles.

De tanto observar, consegui descobrir alguns pontos em comum entre todos e o que mais me impressiona é que são felizes. A felicidade, essa meta por vezes impossível, é parte deles, está intrínseco. Vivem um dia após o outro desfrutando de uma alegria genuína, leve, discreta, plantada na alma como uma árvore de raízes que força nenhuma consegue arrancar.

Dos felizes que conheço, nenhum leva uma vida perfeita. Não são famosos. Nenhum é milionário, alguns vivem com muito pouco, inclusive. Nenhum tem saúde impecável, ou uma família sem problemas. Todos enfrentam e enfrentaram dissabores de várias ordens. Mas continuam discretamente felizes.

O primeiro hábito que eles tem em comum é a generosidade. Mais que isso: eles tem prazer em ajudar, dividir, doar. Ajudam com um sorriso imenso no rosto, com desejo verdadeiro e sentem-se bem o suficiente para nunca relembrar ou cobrar o que foi feito e jamais pedir algo em troca.

Os felizes costumam oferecer ajuda antes que se peça. Ficam inquietos com a dor do outro, querem colaborar de alguma maneira. São sensíveis e identificam as necessidades alheias mesmo antes de receber qualquer pedido. Os felizes, sobretudo, doam o próprio tempo, suas horas de vida, às vezes dividem o que tem, mesmo quando é muito pouco.

Eu também observo os infelizes e já fiz a contraprova: eles costumam ser egoístas. Negam qualquer pequeno favor. Reagem com irritação ao mínimo pedido. Quando fazem, não perdem a oportunidade de relembrar, quase cobram medalhas e passam o recibo. Não gostam de ter a rotina perturbada por solicitações dos outros. Se fazem uma bondade qualquer, calculam o benefício próprio e seguem assim, infelizes. Cada vez mais.

O segundo hábito notável dos felizes é a capacidade de explodir de alegria com o êxito dos outros. Os felizes vibram tanto com o sorriso alheio que parece um contágio. Eles costumam dizer: estou tão contente como se fosse comigo. Talvez seja um segredo de felicidade, até porque os infelizes fazem o contrário. Tratam rapidamente de encontrar um defeito no júbilo do outro, ou de ignorar a boa nova que acabaram de ouvir. E seguem infelizes.

O terceiro hábito dos felizes é saber aceitar. Principalmente aceitar o outro, com todas as suas imperfeições. Sabem ouvir sem julgar. Sabem opinar sem diminuir e sabem a hora de calar. Sobretudo, sabem rir do jeito de ser de seus amigos. Sorrir é uma forma sublime de dizer: amo você e todas as suas pequenas loucuras.

Escrevo essa crônica, grata e emocionada, relembrando o rosto dos homens e mulheres sublimes que passaram e que estão na minha vida, entoando seus nomes com a devoção de quem reza. Ainda não sou um dos felizes, mas sigo tentando. Sigo buscando aprender com eles a acender a luz genuína e perene de alegria na alma. Sigamos os felizes, pois eles sabem o caminho.

Dicas para encantar os convidados na noite de Natal

Que tal montar uma linda mesa para a ceia de Natal e encantar a família e os convidados? Veja as dicas para conseguir o efeito desejado.

Uma das noites mais especiais do ano está chegando e, junto, os preparativos que encantam a família inteira. Surpreender os convidados com pequenos detalhes é uma forma delicada que demonstra a alegria do anfitrião em receber. As elaboradas lembrancinhas com embalagens natalinas – que podem ser nas cores vermelho, dourada e verde – dão um toque para lá de especial.

Que tal começar a curtir as comemorações planejando dias antes a decoração da mesa? Mas nada impede de conseguir o efeito desejado usando coisas que você já tenha em sua casa. Aqui vão dicas da Cecilia Dale usando produtos de Natal da Lindt e outras dicas com itens mais “improvisados”. Toques simples e requintados deixam o espaço mais especial:

  1. Coloque um objeto de maior destaque no centro da mesa e, para compor, outros menores ao redor. Tudo o que integrar a mesa deve seguir a mesma linguagem e cores da árvore. Chocolates e presentes que seguem o tema são boas opções;
  2. Bowls com pinhas ou arranjos de flores são algumas lindas opções para o arranjo central da mesa. O panetone – presença marcante em toda mesa natalina – fica perfeito em cima de um suporte de bolo e arrematado por um laço.
  3. Cuidado para os arranjos não ficarem altos demais e atrapalharem a conversa e a troca de olhares entre os convidados. Procure optar por arranjo que dê um visual impactante à mesa, mas tenha uma altura equivalente aos copos de vinho e/ou água;
  4. Uma ideia original é usar um mini cordão de LED dentro de uma bomboniere de vidro, misturada a trufas ou bombons sofisticados, que garantem um toque especial e visual simples de ser feito;
  5. Alguns elementos, como a figura do Papai Noel, dão um tom descontraído à mesa. Chocolates neste formato ou ursos com embalagens douradas podem ser consumidos ao final da ceia, junto com a sobremesa;
  6. Jogos americanos em vez de toalhas são chiques e podem ser limpos e trocados a qualquer momento, sem precisar desmontar toda a decoração da mesa. Se quiser dar um toque especial, os sousplat são uma ótima solução.
  7. Entre familiares e amigos, no momento de se acomodarem na mesa, uma dica para deixá-los à vontade é ter um marcador de lugares. O objeto demarca o nome de cada convidado para o conforto de todos;
  8. Dar presentes a todos os convidados é sempre um impasse para o anfitrião. Mas, uma lembrancinha, como um chocolate em cima de cada prato, demonstra delicadeza e um cuidado todo especial com cada um deles.

Fotos Alan Simaro.

Tendências de decoração para o Natal 2017

Para quem deixou a decoração para a ultima hora, veja as tendências de decoração para o Natal 2017, segundo a especialista Cecilia Dale.

Por incrível que parece, só consegui montar minha árvore de Natal ontem de noite. Coisa rara, porque amo tanto o Natal que normalmente monto a decoração no final de novembro. Mas a correria deste não permitiu. Infelizmente, tive que fazer com tudo o que já tinha guardado, mas bem que gostaria de ter tido tempo de comprar uns adornos novos.

Se alguém está atrasado, como eu, veja as tendências de decoração que a especialista Cecília Dale apresenta para o Natal de 2017. Ela é uma craque e sugere cinco coleções: Gold, English Ivy, Forest Berries, Mickey Magic Xmas e Classic – que trazem diferentes estilos e muitas opções de enfeites, guirlandas, centros de mesas e árvores. Além disso, a marca traz novidades para complementar as tradicionais Vilas de Natal.

GOLD

 

Gold é uma coleção pensada para transmitir um clima de muita prosperidade e paz, com uma mistura de enfeites e ramos dourados ao cristal. O efeito é sofisticado e cheio de brilho e traz uma variedade de produtos de mesa posta, como louças e copos, para compor a decoração natalina.

ENGLISH IVY

 

 

English Ivy tem como inspiração a atmosfera mágica de um jardim inglês, com esquilos, passarinhos e outros pequenos habitantes que observam as crianças se divertindo à espera do Natal. O verde e vermelho se misturam ao marrom e bege dos galhos e dos animais, com um viés mais romântico e sofisticado, que traz a natureza em destaque para agradar crianças e adultos.

FOREST BERRIES

 

 

Forest Berries é uma coleção inspirada nas florestas de pinheiros do hemisfério norte, que brinca com a atração dos ursos pelas frutas silvestres típicas do Natal. Para isso, a marca aposta em uma decoração onde o vermelho é o protagonista, seja nas frutas ou nas roupas estampadas em xadrez dos ursos.

MICKEY MAGIC XMAS

 

Mickey Magic Xmas traz de volta o ratinho mais amado do mundo para compor a decoração de Natal, com enfeites, arranjos e guirlandas apaixonantes. Os bonecos do Mickey são misturados aos laços com estampa xadrez vermelho e verde, tudo para encantar crianças e adultos.

CLASSIC

 

Classic traz as cores do Natal tradicional – vermelho e dourado – em combinações surpreendentes. A atmosfera mágica de Natais passados revivida em guirlandas, arranjos, centros de mesa e enfeites de árvore deslumbrantes.

VILA DE NATAL

 

Vila de Natal resgata uma tradição das famílias alemãs e holandesas. São casinhas, árvores e brinquedos com movimento que retratam uma pequena cidade viva. Para aumentar o encantamento este ano, as já famosas minialdeias natalinas crescem com novos personagens e brinquedos animados com luz e som.

Ceia saudável

A chef e nutricionista de cozinha funcional, Pâmela Sarkis, dá receitas de pratos ligths para as ceias nas festas de final de ano.

Ratatouille

Ingredientes

1 Cebola

8 Alho

1 Abobrinha

1 Berinjela

1 colher de sopa de manjericão

1 colher de sopa de azeite

1 pitada de sal

1 Pimentão vermelho

1 Pimentão amarelo

 

Preparo:

Pique a berinjela em cubos e coloque-as em uma peneira, salpique uma boa quantidade de sal para que ela possa desidratar. Coloque uma tigela por baixo e aguarde em torno de 30 minutos até que tenha saído bastante líquido. Pique as abobrinha em cubos, os pimentões e reserve. Já a cebola e o alho pique em quatro partes iguais, fazendo uma cruz. Passados 30 minutos,  misture em um refratário todos os ingredientes, exceto o manjericão. Cubra com papel alumínio e leve para assar no forno médio, até que a berinjela tenha murchado, e os outros ingredientes estejam cozidos. Finalize salpicando as folhas de manjericão por cima.

Montagem:

Coloque todo o ratatouille em uma tigela, para gelar na geladeira. Na hora de servir, coloque duas colheres de servir em um aro e molde em cada prato. Sirva com os acompanhamentos ao lado. Rende quatro porções.

 

Roastbeef ao molho de alcaparras

Ingredientes:

 

1 peça de file mignon limpa

1 colher de sopa de tomilho (folhas)

1 colher de sopa de salsinha repicada

1 colher de sopa de alecrim

1 pitada de pimenta-do-reino

3 colher de sobremesa de shoyu light

1 colher de sobremesa de fundo de legumes

1 pitada sal

1 colher de sobremesa de barbante

1 colher de sobremesa de margarina light

 

Molho

2 colheres de sopa de creme de leite light

2 colheres de sobremesa de alcaparras em conserva (dessalgadas)

2 colheres de sobremesa de leite desnatado

 

Preparo:

Coloque o filé em uma travessa, faça alguns furos com o garfo com cuidado e tempere com as ervas, o sal, a pimenta, o shoyu e regue com uma colher de fundo.

Amarre a peça do filé com o barbante para que ele fique firme. Deixe marinar por uns 10 minutos. Enquanto isso aqueça uma frigideira bem grossa, e unte com a margarina e o óleo de canola, para colocar a o filé. Passado o tempo, coloque o filé, e deixe dourar ate formar uma casquinha por toda a peça. Vá virando sempre com um auxilio de uma pinça. Após todos os lados estarem corados, retire o filé para que não continue cozinhando, pois deve permanecer cru por dentro. Para saber o ponto veja se a carne ainda tem uma textura macia ao toque; este é o ponto ideal. Reserve seis fatias finas e congele o restante.

Molho: Coloque o creme de leite, o leite em uma panela, e leve ao fogo até ferver e engrossar um pouco. Retire a panela do fogo, acrescente as alcaparras, misture delicadamente e reserve em uma tigela. Está pronto para servir.

Montagem: Coloque três fatias finas de roast beef em cada prato (120g) e por cima regue metade do molho. Coloque ao lado os acompanhamentos. Sirva quente ou frio. Rende duas porções.

 

Maçã com creme de nozes

Ingredientes:

 

1 unidade media de maçã verde

2 colheres de sopa de ricota amassada

2 colheres de sopa de cottage

1 colher de café de mostarda dijon

1 colher de chá de conhaque

1 colher de sopa de suco de limão

1 pitada de sal

1 pitada de pimenta da Jamaica

3 unidades de nozes

 

REDUÇAO:

50 ml de aceto balsâmico

2 colheres de sobremesa de mel

50 ml de suco de laranja

10 ml de shoyu light

 

Preparo:

Divida a maça ao meio. Retire as sementes e uma parte da polpa com um boleador, para que possam ser recheadas. Coloque em uma vasilha com água e o limão, para que não escureça. Em outra tigela ponha a ricota, o cottage, o sal, a pimenta, a mostarda e o conhaque. Triture duas nozes e junte ao creme, misturando bem. Recheie as maças com esta pasta. Divida a nozes ao meio e coloque por cima para decorar.

Redução: coloque todos os ingredientes em uma panela, misture bem, e deixe em fogo brando ate reduzir e engrossar. Decore o prato com a redução e folhas de rúcula e coloque a maça recheada.

Montagem: Coloque em cada prato a redução de aceto com as folhas de rúcula. Por cima da redução, disponha uma metade de maçã recheada. Decore com nozes trituradas. Sirva frio. Rende duas porções.

Ceia mais saudável e equilibrada

Nutricionista e chef de cozinha funcional, Pâmela Sarkis, dá dicas para manter a linha nas festas de final de ano.

O fim de ano é uma das épocas mais gostosas, não só pelas confraternizações, mas também pelas deliciosas ceias. Nesse momento de alegria e fartura fica difícil manter a dieta e a alimentação equilibrada, por isso, a nutricionista e chef de cozinha funcional Pâmela Sarkis deu algumas dicas para celebrar sem ‘pisar na jaca’.

Champanhe, vinhos, drinks e a cerveja são bebidas que não podem faltar para brindar o reencontro, as conquistas ou o novo ano que começa, mas, para não ter nenhum problema no dia seguinte o ideal é beber bastante água. “A dica ouro é ingerir água o dia inteiro e durante as festas. Temos o vício de colocar o copo na boca independente do conteúdo. Para cada taça ou dose de drink, oriento meus clientes a tomarem uma taça/copo de água, assim o consumo de bebida alcoólica cai pelo menos 30%”, explica a nutricionista.

Com as bebidas sempre vem algumas entradas e petiscos. Podemos comer castanhas e queijos, com moderação. É bom evitar sempre os aperitivos e salgados fritos. “Toda alimentação deve ser feita de forma equilibrada e sem exageros. Para a entrada da ceia sugiro uma composição de frutas, queijos magros e snacks de legumes, que ajudam a compor a mesa. Uma sugestão são os de tomate com manjericão e mussarela de búfala, carpaccio de abobrinha e caponata de berinjela. Uma delicia para acompanhar um vinho”, pondera Pâmela.

Devemos ter cuidado com as frutas secas, que são típicas desta época e presentes na maioria das ceias. De acordo com a nutricionista, fruta seca, por não ter água, concentra calorias e açúcar. As frutas naturais são menos calóricas e muitas possuem enzimas digestivas, principalmente, o abacaxi, uma ótima opção de sobremesa após a ceia.

Sugestão da chef

Para uma ceia equilibrada, gostosa e saudável, Pâmela Sarkis montou um menu especial:

Petiscos para a entrada:

Frutas, queijos magros e alguns snacks de legumes ou pernil fatiado fininho para comer com pão e azeite

Prato principal

Peru ou chester acompanhado de farofa com frutas ou arroz colorido.

Sobremesa

Além do abacaxi, a torta está liberada, desde que feita com ingredientes menos calóricos. O ideal é trocar os produtos normais pelos lights. Outra sugestão é utilizar frutas ou geleias sem açúcar.

Veja as receitas de Ratatouille, Roastbeef ao molho de alcaparras e Maçã com creme de nozes, enviadas pela chef, na seção de gastronomia neste site.

Colônia de tecnologia é boa pedida para férias escolares

Nem só de brincadeira é feita as férias. Uma boa maneira de passar os dias de folga é divertir e aprender mais sobre o que as crianças mais gostam: tecnologia.

Por Rafaela Matos

O período de férias escolares se aproxima, época de passear, brincar, sair da rotina e, porque não, aprender? As colônias de tecnologia trazem oportunidades para as crianças adquirirem conhecimentos fora de sua zona de conforto, de uma maneira bem imersiva e com o ensino de habilidades fundamentais para seu futuro. E o recesso escolar pode ser ideal para esse aprendizado, porque os pequenos querem algo prazeroso para seus dias de descanso.

As mudanças tecnológicas têm transformado as oportunidades de carreira e mudado o futuro. Especialistas sugerem que cerca de 65% das crianças de hoje, quando se tornarem adultas, exercerão carreiras ainda inexistentes. É essencial equipar as crianças com a programação e novas capacitações agora, aproveitando que são naturalmente curiosas e aprendem de maneira muito mais rápida.

Durante o período letivo, as escolas não conseguem explorar diversas atividades extracurriculares. Por isso devemos despertar o interesse das crianças com tarefas completamente novas, que envolvam o domínio da tecnologia, criatividade e raciocínio lógico, buscando o entusiasmo com a oportunidade de fazer algo novo e, assim, descobrindo novas aptidões. Investir em programas de colônias de férias pode ser uma opção, pois são livres de distrações e é possível focar no encorajamento desses novos interesses. Dentre seus benefícios, podemos citar:

1- Aprendizado por meio de jogos: essas colônias são ideais para as crianças que demonstram interesse e curiosidade de saber mais sobre o mundo da programação. É a oportunidade de ter um primeiro contato com a tecnologia e inovação, e por meio dos seus jogos favoritos, elas podem entender como funciona o processo de programação, desenvolver uma facilidade de aprendizado e organização de pensamentos, aperfeiçoando a escrita, trabalhar em equipe, entre outros benefícios;

2- Benefícios das atividades unplugged: esse aprendizado valioso não está apenas na programação, mas em habilidades humanas que computadores não podem replicar, como a empatia e a resolução de problemas. As colônias também ensinam conceitos de ciências da computação fora do computador. A ideia, porém, não é eliminar a tecnologia, mas mostrar para as crianças que o computador é bom e deve ser usado, porém existem atividades relacionados a tecnologia, tão divertidas quanto, fora das telas;

3- Conhecimento por meio da socialização: ao longo do aprendizado, a socialização é o maior resultado obtido. É possível conviver e trabalhar com crianças que têm os mesmos interesses. A facilidade de se relacionar estimula novas amizades com confiança e independência, em atividades criadas para realmente exploram a criatividade, livre de julgamento, sem o medo de falhas, e com um acompanhamento pedagógico suportando todo esse processo.

As colônias também permitem a prática de regras de convivência. O ambiente é estruturado para que as crianças comportem de modo socialmente adequado no ambiente escolar, tratando com respeito os professores e colegas. São transmitidas normas que ajudarão a criança a aprender a conviver com os outros, respeitando e se integrando à sociedade, seja na família, na escola ou com os seus amigos. São atitudes importantes para que o seu filho seja um adulto feliz e saiba se relacionar com os outros de forma saudável e positiva.

Ainda que seja uma novidade no país, assim como o ensino de programação para crianças, as colônias de férias têm potencial para que gradualmente sejam adotadas pelas instituições de educação, que vêm desempenhando um papel importante de inovação e certificando que seus programas ajudem a desenvolver essas capacidades tão importantes. E aí, o que acha de investir nesse tipo de programa para as férias?

As linguagens do amor 2

Aprenda quais são as cinco linguagens do amor e como demonstrá-lo da forma correta para cada pessoa.

Existem cinco linguagens de amor, como falei ontem por aqui. Os escritores Gary Chapman e Ross Campbell escreveram dois livros sobre o tema, um para adultos e outro para os pais, ensinando como identificar o tipo de linguagem de cada criança, porque cada pessoa sente a manifestação de amor de uma forma.

Como já disse, as cinco linguagens são o toque físico, palavras de afirmação, tempo de qualidade, atos de serviço e presentes. Cada um manifesta e demonstra o seu amor para com o outro da forma que ele entende este sentimento, ou seja, se para você a linguagem de amor é receber um presente, você demonstra este sentimento dando presentes para quem você ama. O problema é que para esta pessoa a linguagem de amor pode ser outra, aí, seu ato não adianta de nada, por isso é importante descobrirmos qual a linguagem de amor do outro e passarmos a praticá-la.

É sempre bom ficar atento, principalmente em um relacionamento de casal, pois no início do namoro existe todo um clima romântico no ar, mas com o tempo e a rotina estabelecida, os filhos, o estresse e o cansaço, muitas das atitudes que fazem parte da linguagem do amor, parecem que simplesmente desaparecem. Estas linguagens são uma ótima maneira de manter o romantismo em alta no casamento.

Toque físico

O toque físico é essencial num relacionamento equilibrado. Tocar, sentir o outro, ter carinho e demonstrar carinho representa uma das formas mais intensas da linguagem do amor. É natural, quando amamos, querer abraçar, beijar, fazer carinhos nos cabelos, andar de mãos dadas e se jogar nos braços do outro. Quando sentimos o amor explodir dentro de nós, o desejo de transmitir o que se sente se torna extremamente necessário. Se a linguagem de amor de seu (sua) parceiro (a) for essa, comece a demonstrar mais o amor que você sente com atitudes assim:

Sentem-se no banquinho da praça, como faziam no início do namoro.

Tomem sorvete juntos.

Riam um das “palhaçadas” do outro.

Aprenda a ouvir mais e a estar mais atento às feições do(a) seu (sua) companheiro (a).

Faça cafuné.

Ajude seu cônjuge a desestressar, fazendo uma bela massagem relaxante.

Olhe em seus olhos.

Toque em suas mãos.

Toque em seu rosto.

Encoste-se no cônjuge e ouça as batidas do seu coração.

Atitutes de amor sempre unem e fortalecem ainda mais o elo familiar.

 

Palavras de afirmação

As palavras também são outra linguagem eficaz para o amor, da mesma maneira que com palavras você pode magoar alguém, com as palavras certas e imbuídas de amor, você consegue tocar o coração, transmitir suas necessidades, seus medos, desejos e confiança. Palavras de afirmação são vitais para o bom equilíbrio do relacionamento. Experimente dizer mais:

 

Amo muito você.

Você é minha luz do dia.

Minha flor.

Minha princesa (meu príncipe).

Meu sol.

Você me faz feliz.

Como você é inteligente.

Você é linda (o).

Você é muito importante para mim.

Fale com carinho.

Seja brando nas palavras, inclusive para resolver problemas.

Existem muitas palavras positivas que você pode falar para demonstrar seu afeto e zelo, elogios sempre são bem-vindos, eles aumentam a autoestima do cônjuge e demonstram que você sabe reconhecer o esforço que o outro tem para a família. Isso significa que verbalmente você demonstrou seus sentimentos. Palavras boas e positivas podem e devem ser ditas também aos filhos.

 

Tempo de qualidade

O tempo dedicado ao outro não poderia ser menos importante. O tempo de qualidade que dedicamos ao cônjuge faz com que ele perceba nossas intenções e prioridades familiares, traz felicidade para ambos. Significa que nada, nem ninguém, terá sua atenção naquele momento, porque o tempo naquele momento pertence somente a vocês dois. Ainda costumam separar aquele tempo por semana para curtirem sozinhos e namorar? Esse tempo pode representar ter que dar mais assistência ao lazer. Isso se refere também a dedicar tempo também aos filhos.

Atos de serviço

Não pense que é tolice, mas toda mulher gosta de ser ajudada nos afazeres domésticos. Se você, como marido, puder ajudar em algo, será uma grande contribuição e pontos a somar. A esposa, por exemplo, ama quando seu marido a ajuda com os pratos, lavá-los sozinho é uma grande demonstração de serviço e amor, entre outras atitudes.

O mesmo ocorre com relação aos filhos, quando ajudamos os pequenos a fazer algo que eles precisam. Não significa fazer por eles, mas ajuda-los.

Presentes

Também não podemos nos esquecer dos presentes… Todo mundo gosta de receber presentes. Sabe quando você ganha, inesperadamente, uma lembrança, cartão, flores ou qualquer presente material, por mais simples que seja, mas que faz seu coração “acender”? Essa é uma ação bela, que deixa a marca gravada nos sentimentos, lhe dá a certeza de que mesmo em sua ausência, o outro se lembrou de você.

Isabela Teixeira da Costa

As cinco linguagens do amor

Descubra a linguagem de amor que seus filhos entendam para saber a forma certa de demonstrar este sentimento tão importante para eles.

Cada pessoa possui uma linguagem de amor principal e específica, uma maneira pela qual ela compreende melhor o amor do outro. O mesmo ocorre com as crianças, com relação aos pais. Gary Chapman e Ross Campbell escreveram o livro As cinco linguagens do amor das crianças, que ensinará os leitores a reconhecerem e falarem a linguagem de amor fundamental do filho ou filha, e os informará sobre as outras quatro linguagens de amor pelas quais as pessoas entendem e oferecem amor.
Todos precisam aprender a amar e ser amados. Pautados em décadas de experiência em aconselhamento, os autores poderão instruir os leitores a experimentarem um nível novo de relacionamento com seu filho ou filha: mais próximo, íntimo e prazeroso. A nova edição revista e ampliada ajudará cada um a aprofundar seus laços afetivos e demonstrar de modo mais eficaz seu amor aos pequenos.

Na obra, Gary Chapman, conselheiro de casais, preletor e autor de várias publicações de grande prestígio, em parceria com Ross Campbell, conferencista, autor e professor de pediatria e psiquiatria, compartilham conselhos que ajudarão os pais a entender melhor as necessidades de seus filhos pequenos e a implementar no dia a dia atitudes eficientes para um relacionamento marcado por afinidade, companheirismo e alegria.

No livro, os autores esclarecem que na infância o amor é tão essencial quanto a disciplina para formar adultos generosos e responsáveis. Identificar e começar a falar a principal linguagem dos pequenos são atitudes poderosas com efeitos positivos que duram por toda a vida.

De acordo com Gary e Ross, cada criança possui uma linguagem própria pela qual entende melhor o afeto dos adultos. Por isso, é fundamental que os pais saibam comunicar o amor que sentem de maneira que seus filhos entendam. Isso, inclusive, fará com que os pequeninos se desenvolvam intelectual, social e espiritualmente. Toda a dinâmica, conforme apontam, deve ter como principal base o amor incondicional, aquele que não depende de méritos. Esse processo de comunicação efetiva, além de ser fundamental no aprendizado emocional das crianças, é uma saída para estabelecer a aproximação na família.

Só o amor incondicional é capaz de evitar problemas como ressentimento, sensação de não ser amado, culpa, medo e insegurança. Só quando amamos nossos filhos incondicionalmente é que de fato somos capazes de entendê-los e de lidar com seus comportamentos, sejam bons ou ruins.

Permeado de histórias elucidativas e de insights sobre o comportamento e o mundo dos pequenos, As cinco linguagens do amor das crianças é literatura altamente indicada para pais e mães que buscam aconselhamento oportuno para corrigir rotas, reparar erros e construir alicerces fortes na vida daqueles a quem tanto amam. Prático e fácil de ler, o livro vem ainda com o divertido “Jogo do mistério das linguagens do amor”, um recurso didático para os momentos em família.

Conhecer esta linguagem é importante para todo mundo. De forma rápida vou citá-las aqui: toque físico, palavras de afirmação, tempo de qualidade, atos de serviço e presentes. Não adianta demonstrar amor presenteando uma pessoa se para ela o importante é dedicação de tempo de qualidade. Por isso, não adianta usar a sua linguagem de amor, e sim a da pessoa que vai receber este amor. O livro vai ensinar a identificar essa linguagem em cada pessoa.

Amanhã vou descrever cada uma dessas linguagens.

Isabela Teixeira da Costa

Casa pronta para as festas de fim de ano

Aprenda a preparar a casa para as festas de fim de ano, dentro das regaras do feng shui, para entrar 2018 com a energia certa.

Ontem, a empresária e joalheira Patrícia Dias fez uma reunião diferente para apresentar os novos modelos de suas joias. Por sinal, uma coisa que ela sabe fazer com criatividade são seus lançamentos.  A cada um ela faz algo novo para entreter as convidadas, e sempre coisas bem interessantes.

O encontro de ontem foi no Eloi Bistrô, um restaurante bem pequeno – como o nome mesmo diz –, charmoso, com uma comida deliciosa do chef Eloi Moreira, que fica no Santo Antônio, em uma rua paralela à Avenida Prudente de Moraes.

Como disse, sempre tem uma surpresa, e a de ontem foi a presença da terapeuta Marisa Porto, especialista em Feng Shui, por sinal ela dá consultoria na área tanto presencialmente quanto online. A terapeuta fez uma palestra sobre como preparar a casa, dentro dessa ciência, para as festas de fim de ano. Isso mesmo, para quem não sabe, feng shui é uma ciência milenar chinesa. Nada de esoterismo, trata-se de algo concreto que trabalha com energia e vida.

Marisa disse que precisamos limpar a casa antes do fim do ano e que existem duas formas de limpeza: a física e a energética. A física é aquela faxina grande que a gente faz uma vez no ano, de lavar cortina, tapete, almofada, sofá. Descartas os excessos que temos em casa e principalmente jogar fora (ou doar para quem conserta e vai usar) as coisas danificadas que guardamos por anos. Sabe quele relógio estragado ou parado que todo mundo tem em casa, no fundo de uma gaveta? – eu tenho oito, fora um na parede da cozinha que deve ter uns seis anos que não funciona –, pois é melhor colocar bateria, pilha ou passar para frente. Até as roupas sujas devem ser lavada no dia 31. A casa deve ficar um brinco para fechar o ano.

É aquele velho ditado, como estiver a sua casa, assim estará você no próximo ano, ou seja, casa bagunçada, vida bagunçada. Não sou nem um pingo supersticiosa, mas dentro da ciência da energia que não circula ou que vai embora, é fato. Mais uma vez, repito, sem misticismo e sem esoterismo.

Já a limpeza energética é aquela que cada um vai fazer dentro da sua fé e da sua crença. Devemos abençoar a nossa casa, orar e ungir, colocar uma música bonita. Quem acredita em cristais e incenso, pode fazer uso de tudo isso. Como a terapeuta disse, cada um na sua.

Depois de tudo isso feito, é preciso organizar a casa. Segundo Marisa existe uma grande diferença entre organizar e arrumar. Organizar é criar situações para arrumar a casa com facilidade. E arrumar é colocar as coisas no lugar certo. Primeiro você organiza para depois arrumar. Em seguida é só manter tudo no seu devido lugar.

Para arrematar, chegou a hora de enfeitar. Marisa diz que nas festas de final de ano, mesmo que a gente não vá receber ninguém em nossa casa, devemos arrumá-la com a toalha mais bonita, a louça especial. Arrumar para o Natal com enfeites e sempre pensando nos cinco elementos: água, madeira, fogo, terra e metal.

O fogo pode ser representado por qualquer coisa vermelha, púrpura ou dourada, fácil em época de Natal.  E também por qualquer coisa que traga luz ou fogo como velas, por exemplo. A terra pode ser objetos em tons amarelo e tons de terra e coisas de cerâmica, esculturas, vasos, etc.  Para representar o metal coisas brancas, cinza ou tons pastel, e claro, qualquer coisa de metal. Já a água são cores escuras em geral, preferencialmente o preto, grafite, marinho e objetos em vidro, espelhos e a própria água. A madeira está fácil, porque pode ser a árvore de Natal já que suas cores são o azul e o verde.

Agora, é só colocar a mão na massa.

Isabela Teixeira da Costa

Monte Verde não é mais a mesma

É impressionante ver o que o “progresso” consegue fazer com uma cidade, até mesmo as turísticas que vivem da natureza como em Monte Verde.

Fui a Monte Verde em 1985, de lua-de-mel, e retornei um ou dois anos depois com minha mãe e minha irmã. Era lindo. Chamava a atenção pela vegetação nativa, os altos pinheiros. A rua era de terra e o frio intenso dava o clima perfeito para a região.

As pousadas eram uma graça. Fiquei – nas duas vezes – na pousada Moinho Velho, que era pequena, charmosa, aconchegante. Os proprietários eram um casal inglês, muito simpático. Ela ainda existe, mas cresceu bastante.

Lembro de um restaurante pequeno, tipo bistrô de um alemão que tinha um fondue espetacular com olhos bem diferentes e uma truta maravilhosa, fresquinha – já que na cidade tem criadouro –, que fazia no molho de manteiga com amêndoa e alcaparra acompanhada de batatas cozidas. Compramos vários potes de molhos de fondue para trazer, todos fabricados por ele. E o restaurante Pucci, que existe até hoje.

No alto de uma montanha tinha uma casinha muito simples, mas tão limpa que era possível comer no chão. Por lá morava uma senhorinha já bem idosa que fabricava geleias deliciosas. Não sei até hoje como ela fazia para não ficar uma única folha caída no terreiro com tantas árvores em seu terreno, que era de terra batida. Compramos seus produtos, de vários sabores.

Retornei neste fim de semana para o casamento de um primo. Fomos eu, minha irmã, minha sobrinha Rafaela e sua filha Bárbara. Continua lindo, charmoso e recebeu muitas melhorias – algumas questionáveis –, e o clima, mesmo no verão, continua frio. Na subida da montanha já ficamos assustadas com a mudança da paisagem. Todos aqueles lindos pinheiros e a vegetação nativa foi para as cucuias. Desmatamento total e só replantio de eucalipto. Em vários pontos já com derrubada dessas árvores para retirada da madeira.

Cresceu muito o número de pousadas e hotéis, com variedade de preços e alguns só para adultos, para que o descanso seja total. Ficamos na Pousada Águia Dourada. Muito charmosa. O salão de café da manhã precisa de um trato para fiar mais leve e bonito, mas o pessoal é muito simpático e atencioso. Os quartos são excelentes. Ficamos em um apartamento para a família. Nota mil. Sala com sofá, mesa e quatro cadeiras, frigobar, aquecedor, TV com serviço de cabo e ainda um DVD e muitos filmes à disposição. Dois quartos sendo um de casal e outro com duas camas de solteiro e um banheiro. Amplo e muito confortável. Na pousada tem uma academia, uma piscina ao ar livre, uma outra aquecida em local fechado, com sauna e ainda um spa, para o hospede reservar o uso exclusivo, com direito a massagem. Muito bom.

A rua principal da cidade agora está calçada, e por ser época de Natal, está toda decorada e iluminada, e cheia de lojas, mini shoppings e muitos restaurantes para pegar turistas, porque todos são muito ruins e caros. Isso mesmo, caro quando pagamos muito para comer mal. Conseguiram acabar com o fondue, prato tão tradicional na cidade. Agora ele vem na chapa, ou seja, é carne na chapa com molhos. Então não é fondue, só o de queijo e o de chocolate mantêm a origem. E os molhos são uma variedade de maioneses temperadas e geleias, exceto na Casa do Fondue. E a moda agora é o rodizio do famoso prato, assim eles cobram mais caro e o cliente prova dos três tipos. O bom mesmo é o de chocolate, porque as frutas da região são excelentes.

Enfim, o casamento foi emocionante, lindo, animado. Uma delícia reunir a família, mas foi bastante decepcionante ver como os empresários da região destruíram a natureza que é o que traz dinheiro para eles mesmos e a prefeitura permitiu que isso ocorresse. Ficamos chocadas. E na volta, passando por Igarapé é para estarrecer como a mineração está acabando com uma montanha e esburacando a serra. Tudo pelo dinheiro. Que pena, onde vamos parar?

Isabela Teixeira da Costa