Acreditem, jogos de internet nos tornam famosos

criminalFui reconhecida em um supermercado por causa de um jogo da internet.

Sempre soube que a internet é um mundo novo, que apesar de ter inúmeros recursos, ainda está longe, muito longe de conhecermos todo o seu potencial. Os grandes entendidos no assunto dizem que se pode comparar a um iceberg: nós usamos apenas a ponta que fica fora da água, mas a grande montanha submersa existe e é um mundo desconhecido da grande população. Não duvido.

Outro ponto que também não discuto é como nos expomos por meio das redes sociais. Contamos muito sobre nossas vidas, na maioria das vezes sem perceber. Colocamos fotos dizendo onde estamos, informamos nossas viagens, falamos quando ganhamos algum presente especial, alguma promoção, mudança de emprego e até mesmo o desemprego. Quando abrimos um negócio, começamos ou terminamos um namoro. Falamos de nossa família e até mesmo de nossos bichos de estimação.

Apesar de ser dito que apenas nossos amigos terão acesso às informações, uma centena de pessoas acabam vendo nosso perfil e nossos posts. Se não fosse assim, como determinadas publicações estourariam em visualizações? Dessa forma pessoas, do bem e do mal, vão nos conhecendo quase profundamente. Isso dá margem para muita coisa.

Tem homens que ficam nas redes sociais à espreita de mulheres maduras, independentes, bem-sucedidas, estáveis financeiramente, sozinhas. Descobrem tudo isso só observando perfis. Puxam conversa, se tornam amigos, envolvem-se emocionalmente e não são poucos os casos de mulheres que caem em golpes por se relacionarem com pessoas que conheceram em redes sociais. Mas nem tudo são trevas, sei de alguns casos que deram muito certo. Gente que se conheceu pelo Face book e hoje estão casados, e muito bem.

Gosto muito de joguinhos de computador. Já joguei mais. Atualmente, a falta de tempo me distanciou desse lazer. Sou das mulheres múltiplas, daquelas que, geralmente, fazem duas coisas ao mesmo tempo, então, enquanto assistia TV, jogava no Ipad. Porém, esses momentos de folga foram substituídos pela dedicação necessária ao site, redes sociais e e-mail.

criminal2Sempre gostei dos jogos de baralho como paciência e buraco, gamão, aqueles de combinação de cores, tipo Candy Crush. Já tive a fase da fazendinha e a série da Emily de servir clientes, mas gosto muito dos jogos de achar objetos em cenas com muito entulho e de outros de mistério e investigação. Descobri um que reúne as duas coisas, chamado Criminal Case, e eu jogava muito. Inclusive conheci uma prima no jogo.

Não foram poucas as vezes que incluí pessoas no meu rol de amigos por causa dos jogos para ganhar pontos, vidas e energia. Porém, nunca fui de reparar muito nas fotos, e nestes games, na maioria das vezes, criamos um “avatar” para nós. Como sempre fui distraída, passo batida nesses detalhes.

No início dessa semana, fui a um supermercado perto de casa comprar ração para meus cachorros. Quando me dirigia para o caixa, escuto alguém chamando meu nome alto, como uma irmã mais velha chamando a atenção da caçula que fez algo errado. “Isabela! Você não vai mais jogar Criminal Case?”.  Levei tanto susto. A mãe da moça deve ter perguntado se ela estava doida, e enquanto respondia a mãe, veio na minha direção, ainda em voz alta, de braços abertos para um abraço, e todo mundo olhando. “É a Isabela Teixeira da Costa, mamãe. Você tem jogar para dar pontos para nós!”.

Olhava para aquela moça tão simpática e buscava em minha memória quem era, ao mesmo tempo que queria rir muito daquela cena surreal. O rosto não me era estranho, mas não tinha a menor ideia de quem se tratava. Nos abraçamos, expliquei que não estava com tempo de jogar, mas saí de lá prometendo que entraria no jogo naquela noite mesmo. Claro que faria isso, tinha que matar a minha curiosidade e descobrir quem era essa amiga tão íntima feita em um jogo de computador. Ri muito no caminho para casa. Assim que pude joguei até chegar o momento de ver os retratos dos participantes e, para meu alívio, lá estava ela: Luciana Sampaio! Minha mais nova amiga de infância graças aos inúmeros crimes de desvendamos juntas.

Uma coisa eu digo, a capacidade de memória da Luciana, normal e fotográfica é invejável. Me reconhecer por causa de uma mini foto de joguinho e lembrar meu nome completo. Alzheimer não vai pegá-la nunca.

Isabela Teixeira da Costa

Jovens e adolescentes estão vulneráveis na internet

Filipinas
Filipinas

Estudo mostra os perigos que os jovens se expõem na internet.

Estava demorando, mas até que enfim alguém se atentou para o fato. Neste mundo conectado, movido pela internet, sem limites, era preciso pesquisar o resultado disso na vida dos jovens e adolescentes. Novo estudo do UNICEF revelou os riscos que os jovens e adolescentes enfrentam ao crescer em um mundo cada vez mais conectado. A pesquisa mostra que oito a cada dez pessoas de 18 anos de idade acreditam que os jovens correm perigo de serem abusados sexualmente ou explorados on-line e mais de cinco a cada dez acham que seus amigos têm comportamentos de risco ao usar a internet.

Perils and Possibilities: Growing up online (Perigos e possibilidades: Crescendo on-line – disponível somente em inglês) se baseou em uma pesquisa de opinião internacional feita com mais de 10 mil pessoas de 18 anos de idade, em 25 países, entre eles o Brasil.

“A internet e o telefone celular revolucionaram o acesso de pessoas jovens à informação, mas os resultados da pesquisa mostram que o risco de abuso on-line para meninas e meninos é real”, disse Cornelius Williams, diretor associado de Proteção Infantil do UNICEF. “Globalmente, um a cada três usuários de internet é criança. O UNICEF espera amplificar a voz dos adolescentes para ajudar a resolver a violência, a exploração e o abuso on-line e assegurar que as crianças possam tirar o máximo proveito dos benefícios que a internet e o telefone celular oferecem”.

Segundo o relatório, os adolescentes confiam na sua própria capacidade de se manter seguros. Quase 90% dos entrevistados acreditam que podem evitar os perigos on-line. Entre os brasileiros, 86% disseram que sabem como evitar esses riscos. Outros 80% disseram que sabem como lidar como pessoas que fazem comentários indesejados ou pedidos online sobre sexo.

Globalmente, cerca de seis a cada dez disseram que conhecer novas pessoas on-line é de alguma forma importante ou muito importante para eles, mas apenas 36% acreditam fortemente poder dizer quando as pessoas on-line estão mentindo sobre quem são.

Mais de dois terços das meninas (67%), em todo o mundo, concordam fortemente que ficariam preocupadas se recebessem comentários ou pedidos sexuais por meio da internet, em comparação com 47% dos meninos. Quando ocorrem ameaças on-line, mais adolescentes procuram seus amigos do que pais ou professores, mas menos da metade diz que sabe o que fazer para ajudar um amigo que estiver enfrentando um risco on-line.

No Brasil, 94% dos entrevistados acreditam que as crianças e os adolescentes correm risco de ser abusados ou usados sexualmente on-line. Na América Latina e no Caribe e na África ao sul do Saara, dois terços apontaram esse risco, em comparação com 33% dos entrevistados no Oriente Médio e Norte da África.

Os pais devem ficar atento ao que os filhos fazem e o que veem na internet. Seria o cenário ideal, mas com a internet nos celulares, se torna uma missão impossível. A solução talvez seja a orientação constante e o alerta a possíveis problemas e abordagens e como sair delas.

Isabela Teixeira da Costa

Lipoaspiração: técnica polêmica, mas muito procurada

rodrigo3
Dr. Rodrigo Lacerda

Quando o assunto é eliminar aquela gordurinha que não some de forma alguma, a solução é a lipoaspiração.

Muita gente critica, tem medo, mas uma infinidade de homens e mulheres fazem a lipoaspiração, que é dos procedimentos cirúrgicos mais utilizados, empatando com cirurgia de mama.

O que as pessoas não levam em consideração quando decidem fazer uma cirurgia plástica, seja ela qual for, é que qualquer intervenção cirúrgica tem riscos, e todo e qualquer profissional, por mais competente que seja, está sujeito a cometer erros. Somos humanos e passíveis de errar. O que diferencia bons e maus profissionais é como se comportam com o paciente e seus familiares quando o problema ocorre.

Aceitamos mais facilmente problemas em cirurgias vitais, quando são necessárias para salvar vidas, ou seja, elas eram imprescindíveis. Quando se trata de cirurgias estéticas, os erros deixam sequelas que, em vez de nos fazer mais bonitas, deixam marcas feias. Enfrentar problemas por cirurgias totalmente dispensáveis não é fácil.

Já passei por duas lipoesculturas e não me arrependo. A primeira, sucesso absoluto. Fiz no corpo inteiro. O resultado foi excelente. A previsão era fazer uma mini cirurgia de abdômen, mas o cirurgião conseguiu tirar tudo na lipo. Fiquei radiante quando acordei e vi que não teve necessidade do corte. Porém, como tirou muitos litros o médico optou por não fazer as pernas.

Alguns anos mais tarde, retornei para completar o trabalho. O cirurgião usou uma nova técnica e infelizmente houve um hiper traumatismo na minha perna direita, que desenvolveu para uma necrose. O tratamento foi longo, mas o médico foi exemplar. Me atendeu diariamente não só com profissionalismo, mas com muito carinho. Somos amigos até hoje. Vou me dar o direito de não revelar o seu nome. Nunca o culpei pelo ocorrido, de forma alguma. Imprevistos acontecem. Estava nas mãos de um excelente profissional, não foi descuido, muito menos falta de competência.

vibro
Aparelho de vibrolipoaspiração

Agora, fiquei sabendo que existe, além da lipoaspiração uma tal de vibrolipo ou vibrolipoaspiração. Na mesma hora liguei para outro grande amigo, cirurgião plástico pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – é importante ressaltar, porque tem muita gente fazendo cursinho de dois dias e se dizendo cirurgião plástico, mas é assunto para outro artigo –, Rodrigo Lacerda, para me explicar essa história direito. Fiquei sabendo que trata-se de uma máquina que faz o movimento pelo médico. Já existe há muitos anos, mas ele prefere o método tradicional de lipoaspiração.

Segundo Lacerda, o processo normal é muito cansativo para o médico “quando terminamos um cirurgia parece que levamos uma surra, mesmo assim prefiro. A vibrolipo faz o movimento pelo médico, tem vantagens e desvantagens. Na minha opinião não conseguimos ser tão precisos com esta máquina, que no sistema convencional. Na lipo convencional chegamos onde queremos. Os fabricantes dizem que gera menos trauma, mas não percebo isso”, explica.

Rodrigo conta que homens têm procurado muito a cirurgia plástica, a diferença deles para as mulheres é a discrição. “Os homens preferem se consultar a noite para não serem vistos e quando operam dizem que fizeram um desvio de septo, por exemplo, quando é cirurgia de nariz. Eles fazem pálpebra, lifting e muita retirada de papada, com a lipo. Já as mulheres não se importam, ao contrário, gostam de contar para as amigas o que fizeram”, explica.

Acho ótimo os homens estarem abertos para se cuidarem, tirarem papada, pálpebras, etc. Por que só as mulheres podem ser vaidosas e recorrerem as esses recursos? Se existem, é para todos!

tião1
Dr. Sebastião Nelson

Outro excelente profissional, também grande amigo, precursor da lipoaspiração em Belo Horizonte, Sebastião Nelson, usa a vibrolipo quando está fazendo lipo pela segunda vez no mesmo paciente, e o tecido está mais rígido. “Nestes casos a máquina ajuda bastante, porque facilita a retirada do material. Mas vibrolipoaspiração, lipo por laser ou ultrassônica são métodos diferentes. Umas por calor para amolecer o tecido, outra com a cânula vibratória. Mas prefiro o método tradicional, apesar de ser o mais cansativo para o médico”, explica.

Um dos pontos mais importantes quando se faz qualquer procedimento cirúrgico é o pós-operatório. Infelizmente, muitas pessoas não se atentam para isso, abusam e os problemas surgem. Aí, culpam os médicos. Depois de uma lipo é obrigatório usar as cintas e meias elásticas, fazer as massagens de drenagem e todas as outras recomendações. Dói um pouco, mas é fundamental. Para falar a verdade, eu não senti dor nenhuma, mas sei que tem gente que quase morre.

Problemas à parte, dou a maior força para quem quer fazer e neste texto tem a indicação de dois profissionais sérios e competentes.

Isabela Teixeira da Costa

Socorro, como limpar box de banheiro?

bored housekeeper with cleaning accessoriesCoisa difícil é limpar box de vidro blindex.

Continuo na minha batalha insana pela limpeza total de minha casa. Não digo a limpeza comum, aquela básica, varrer, aspirar, tirar o pó, lavar louça, banheiros, lavar e passar roupas.

Me refiro a limpeza mais detalhada, aquela que nossas ajudantes – que em alguns momentos fazem muita falta, apesar dos defeitos (todos nós temos) –, empurram com a barriga e quando percebemos o acúmulo de sujeira é tamanho que dá um trabalhão para tirar.

O primeiro desafio consegui vencer e meus leitores me ajudaram bastante: exterminar as mosquinhas de banheiro. Apesar de alguns comentários contrários no último artigo, quando ensinei como acabar com as incômodas companhias – uns três leitores acham absurdo matá-las, acreditam que a convivência pacífica é o melhor caminho –, continuo me sentindo aliviada sem os insetos e com a sensação de limpeza.

Porém, sem tê-las por perto meu olhar se ateve ao vidro do box. Pronto. Estava embaçado, cheio de manchas esbranquiçadas. Era o acúmulo da gordura do corpo que vai grudando no vidro e com o tempo mancha. Lá fui eu limpar.

O engraçado é que no mesmo dia encontrei com um amigo, o pastor Luiz de Jesus, que tinha lido a crônica das mosquinhas. Elogiou e me pediu: “Descobre também como limpa box de banheiro. Já fiz de tudo e nada adiantou”. Ri muito e comentei com ele que tinha reparado o problema naquele dia.

box2Cheguei em casa, peguei a bucha com sabão. Nada. Veja multiuso, nada. Desengordurante, não adiantou. Pesquisei na internet: “Como tirar mancha de gordura do corpo, de vidro de box” e apareceram várias receitas.

A primeira: limpar com detergente desengordurante e passar um impermeabilizante chamado Nanomax. Sugiro que quem está com seu box novo passe o impermeabilizante urgente, porque estou percebendo que a limpeza será outra luta inglória. Limpei com detergente e não adiantou nada.

A segunda, foi de uma moça chamada Ana Maria: Limpar o box com uma palha de aço. Ela garante que não arranha. Depois fazer uma fórmula caseira com um litro de água, duas colheres de sopa de bicarbonato de sódio, uma colher de sopa de sabão em pó, uma colher de sopa de álcool, uma colher de sopa de vinagre. Com uma esponja, passar no vidro, enxaguar bem e secar com um pano. Fiz direitinho e não adiantou nada.

Voltei a pesquisar e descobri uma terceira fórmula, muito parecida com a segunda, mas mais concentrada, de Ana Crisf. Fiquei animada: uma colher de sopa de sabão em pó, duas colheres de sopa de bicarbonato de sódio, uma colher de sopa de álcool, uma xícara de vinagre e uma xícara de água morna. Misturem dentro do box, porque vinagre com bicarbonato ferventa e derrama um pouco. Quando colocamos a bucha dentro, ele acalma. Passar no vidro com uma bucha macia. Deixar agir por cinco minutos, enxaguar e secar com um pano que não solte pelos.

Entrei em ação. Fiz seguindo todas as recomendações. Em um primeiro momento me pareceu que daria certo, mas depois que enxuguei, as manchas reapareceram. Melhorou um pouco, mas pouco mesmo. Me deu a ideia de passar apenas o bicarbonato. Peguei a bucha, fui colocando bicarbonato na bucha úmida e esfregando, com a parte dura mesmo. Enxaguei. O resultado foi em vão.

Aí radicalizei, liguei para o fabricante e perguntei como limpar o vidro blindex. A moça, com muita calma respondeu: “Isso não limpa. Com o tempo você tem que trocar a peça”. Perguntou quanto tempo eu tinha o box, respondi: “Há 14 anos”. E Ela voltou a dizer que era para eu trocar. Numa boa, a gente paga caro por um box de blindex para durar 10 anos? Porque essas manchas já estão lá há um bom tempo. O fabricante sabe disso, mas não fala nada? Porque quando vende o produto não diz que a vida útil é curta, ao contrário, vende a durabilidade. Esta é a vantagem sobre o acrílico que mancha trinca, amarela. Na venda eles dizem: “comprem o vidro, é mais caro, mas dura a vida inteira, não estraga. é seguro, mais bonito”. etc, etc, etc. Ou alguém já ouviu: “coloque o box de vidro, é mais caro, mas dura 10 anos, depois você tem que trocar, porque não tem como limpar as manchas de gordura do corpo que se acumulam na base”. Então, mais uma vez recomento: quem está com box novo passe o tal impermeabilizante. Não sei se funciona, mas é melhor prevenir.

Mesmo assim, abro aqui o espaço para leitores que tenham conseguido fazer o milagre de conseguir limpar seu box blindex.

Isabela Teixeira da Costa

Implante dentário: um grande avanço

 

dentes1A invenção do implante dentário foi a salvação na área da odontologia.

Tem coisa pior do que tratar de dente? Sempre questionei meus dentistas, ao longo da vida, porque a indústria não inventava um motor sem barulho.  Aquele som agudo em nosso ouvido quando estamos deitados na cadeira de boca aberta é responsável por metade do medo que sentimos do dentista. Agarramos no braço da poltrona e suamos frio.

E a anestesia? É desesperador. Tive um dentista quando eu era criança, maravilhoso. Chamava-se dr. Luiz. Era mais velho, magrinho, cabelos brancos, uma delicadeza. Nunca senti nenhuma dor, nem mesmo da anestesia. Ele contava uma estória, pedia para fechar os olhos e pronto, dava a anestesia. A mão era tão leve que não sentia nada. Só vim a descobrir que anestesia dentária era injeção com meus 14 anos, quando mudei de dentista e fui tratar com o Romeu Luz de Alencar. Nunca levei tanto susto na vida. Quase sai correndo do consultório.

Tratamento de canal é outro sofrimento, aquele entra e sai da agulha. E a cirurgia de gengiva? Não há nada que se faça na região bucal que seja agradável. Tudo é sofrido. Só de pensar sinto calafrios. Porém, pior do que tudo isso é a dor de dente, o mau hálito, a aparência feia de um dente cariado bem na frente. Por isso mesmo enfrentamos tudo para ter uma saúde bucal perfeita.

Imagino que, de tudo que falei, o pior mesmo deve ser a necessidade de arrancar os dentes para colocar dentadura. Sei de pessoas que entraram em depressão profunda quando passaram por tal situação. As pessoas que enfrentaram isso dão o maior valor aos poucos dentes que lhes restam na boca, no outro maxilar que não pecisou da prótese completa.

Quando surgiu o implante dentário, veio com muita polêmica, mas, para mim, foi a melhor coisa que inventaram nas últimas décadas na área da odontologia. Seu uso têm crescido cada vez mais no Brasil. Ele corrige não só a falha estética, mas também acaba com o desconforto gerado pela falta dos dentes. Mais de 800 mil implantes são colocados por ano, segundo últimos dados divulgados pelo Conselho Federal de Odontologia. De acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 41,5% das pessoas acima de 60 anos perderam todos os dentes que tinham na boca.

Segundo a dentista, implantodontista Regina Bregalda, a falta de um ou mais dentes provoca o desequilíbrio da mordida e da musculatura das regiões vizinhas, causando uma perda estética, com aspecto de envelhecimento. “A falta de dentes causa problemas de mastigação e dores na região da articulação dos maxilares. E é justamente por meio da implantodontia que é possível restabelecer a função de mastigação e estética perdidas pela ausência de um ou mais dentes”, explica.

implantePara implantar um ou mais dentes na boca do paciente  são colocados cirurgicamente pinos de titânio sobre os quais, posteriormente, será instalada uma prótese em substituição aos dentes perdidos. Assim, os implantes, integrados ao osso, oferecem um suporte estável para os dentes artificiais. Dentaduras parciais e próteses montadas sobre implantes não escorregarão nem mudarão de posição na boca.

A implantodontia evita desgastes dos dentes, melhora a mastigação e a dicção, devolve a autoestima e estimula relacionamentos pessoais e profissionais. Agora já é possível, em alguns casos, instalar implantes quase sem cortes (mínimas incisões somente para a passagem dos implantes), o que proporciona um pós-operatório mais confortável.

Isso tudo é maravilhoso, mas continuo achando que deveriam inventar uma anestesia sem agulha e um motor sem aquele barulhinho irritante. Com certeza melhoraria bastante nossa ida ao dentista.

Isabela Teixeira da Costa

 

Mau hálito, nem em cachorro!

Meu cão Mussarela (escrito errado mesmo)
Meu cão Mussarela (escrito errado mesmo)

Aguentar mau hálito ninguém quer, nem se for de seu animal de estimação.

Não são poucas as pessoas que tem animais de estimação. Os cães são a maioria, mas os gatos têm crescido muito na preferência. Podem dar menos trabalho no cuidado diário, mas quando a gata entra no cio… É um Deus no acuda. Mia a noite toda e incomoda pra valer. Minha sobrinha adotou dois gatos, um casal, e passou apertada noite dessas. Não teve jeito, castrou a pequena. A cuidadora da minha é outra que resolveu se aventura no mundo dos felinos. Está com duas gatas, mas foi em doses homeopáticas, primeiro uma, depois de um tempo é que trouxe a outra. Com a primeira já foi um caos quando entrou no cio, lembro quando ela me contou. Mas depois que passa, a gente esquece. Quando a mais nova chegou e entrou no cio, ela veio me contar a tragédia de novo. Essa então, além dos miados teve coreografia, um tal de encolhe e estica. Ri muito. Ela saiu desesperada para encontrar alguém que castrasse pelo melhor preço, mas com segurança, claro.

Mas o que quero falar é de mau hálito. Tenho um casal de schnauzer. São lindos. O macho é bem mais velho, já está beirando os 15 anos. A fêmea é mais novinha, ai fazer 6 anos, ganhei de presente da minha mãe quando a Maltês que eu tinha morreu de leucemia. A filhotinha chegou uma espoleta, fofa, linda, alegre, mas sempre teve problema de mau hálito. Sempre cuidei de tártaro, mas além disso ela já teve problema de gengiva também.

Uma das vezes que foi fazer limpeza a veterinária receitou que colocasse um pouco de Aquadent da Virbac na água, para retardar o aparecimento de novas placas e ajudar no hálito fresco. Fiz exatamente como ela mandou, mas os cães se recusaram a beber a água. Tive que para ou eles morreriam de desidratação. Seria tudo de bom se eles se adaptassem ao sabor, mas nada… E a cachorrinha continuou com o odor na boca. E olha que só come ração. Mas ninguém aguenta sentir baforada fedorenta de animal no seu nariz, mesmo sendo de nossos animais de estimação.

Agora lançaram, para cães de todas as raças e portes, o CoolDent é composto por ingredientes naturais e é uma solução fácil e imediata para refrescar o hálito e para a higiene bucal. A novidade é fácil de administrar e altamente palatável. O produto é constituído por uma combinação única de concentrado de romã – ajuda a prevenir a formação da placa dentária, inulina – reduz a formação de gases provocados pela fermentação intestinal, e óleos essenciais de hortelã-brava e salsa – que refrescam rapidamente o hálito.

Segundo veterinária Fabiana Zerbini, uma das grandes preocupações dos proprietários é a halitose, principalmente por uma questão de conforto no convívio com os cães. Esta questão fica ainda mais evidente pelo estilo de vida das famílias, que cada vez mais convivem com seus pets dentro de suas casas e apartamentos. “A causa mais frequente do famoso mau hálito é o acúmulo de placa bacteriana, conhecida como tártaro. Por isso, é de extrema importância realizar a higiene bucal diariamente para evitar esse tipo de problema”.

Além de ser uma ótima opção para manter a boca dos cães mais saudáveis, o CoolDent são comprimidos mastigáveis e palatáveis. A caixa vem com 30 comprimidos, sendo que a recomendação de uso é de um comprimido por dia, se necessário, podem ser administrados mais comprimidos ao dia, sendo recomendados no máximo 10.

Vou experimentar para ver se dá certo. Tomara.

Isabela Teixeira da Costa

Entenda o câncer

Célula cancerígena e célula normal
Célula cancerígena e célula normal

Conheça mais sobre a origem do câncer.

Recebi este material sobre a origem do câncer e achei bem interessante. Muitas pessoas sabem que câncer é um tumor maligno, que cada vez aparecem mais casos. Pessoas próximas a nós têm sido diagnosticadas com a doença e sofremos junto com elas na luta pela cura. Na melhor do que conhecer suas origens e sintomas mais comuns.

O oncologista do Mater Dei, Enaldo Lima, certa vez disse para mim que agora tratam o câncer como epidemia, tamanho volume de diagnósticos. celula1Fiquei assustada com essa declaração. Não é à toa ser tão comum ouvirmos falar que o câncer é uma das principais causas de morte no mundo.

Sempre divulgam as formas de prevenção da doença, bem como possíveis efeitos do tratamento. Mas, achei interessante mostrar o que é a enfermidade em si, como surge, quais as causas e por que leva à morte.

Câncer é o termo usado para designar um conjunto de mais de cem doenças que tem uma característica em comum: surgem da proliferação desordenada de células, desencadeada por uma mutação, que leva à formação de um tecido anormal, o tumor. “Simplificando: um determinado fator (interno ou externo) altera o DNA de uma célula, tornando-a uma célula doente. Esta célula inicia um processo descontrolado de proliferação, levando à formação do tumor maligno, que é o câncer”, explica a oncologista da Oncomed BH, Carolina Rutkowiski.

O tipo de câncer será definido de acordo com o sítio de origem desta primeira célula doente. Ou seja: um câncer que nasceu na mama, câncer de mama. Se nasceu no pulmão, câncer de pulmão. Se nasceu no intestino, câncer de intestino. E assim para as diferentes patologias que levam este nome. “É muito importante dizer que, embora tenham o mesmo nome, os diversos cânceres são doenças absolutamente diferentes, com comportamentos diferentes, sintomas diferentes, consequências diferentes, e também tratamentos diferentes”, reforça a médica.

As causas do câncer são inúmeras, podendo ser externas ou internas ao organismo. As externas relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos de vida. Pode-se dizer que de 80 a 90% dos cânceres estão associados a fatores ambientais. Algumas muito conhecidas são: cigarro e câncer de pulmão, sol e câncer de pele, vírus do HPV e câncer de colo uterino.  Já as causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas e representam uma minoria.

De acordo com Carolina Rutkowiski, em relação aos sinais e sintomas, estes vão variar de acordo com a localização e extensão da doença. Mas existem alguns sintomas que, embora possam ser causados por outros motivos que não o câncer, merecem avaliação médica e por isso considera importante citar:

1-    Surgimento de lesões de pele, como pintas assimétricas ou feridas que não cicatrizam;
2-    Nódulo na mama, alterações no mamilo, secreção sanguinolenta e alterações na textura da pele na mama;
3-    Alteração do hábito intestinal ou sangue nas fezes;
4-    Falta de ar ou tosse com sangue;
5-    Sangramento vaginal anormal, especialmente se ocorrer após a menopausa;
6-    Perda de peso não intencional;
7-    Dificuldade para engolir;
8-    Alteração do hábito urinário ou sangue na urina;
9-    Aumento dos linfonodos;
10-  Rouquidão;
11- Anemia.

Por ser em sua maioria causado por fatores ambientais e de estilo de vida, muitos cânceres podem ser prevenidos. “Sendo assim, é de enorme importância que cada um de nós faça da vida saudável uma prioridade, e consulte sempre um médico quando estiver diante de um sintoma novo. Prevenção é sempre a melhor opção”, conclui a oncologista.

Isabela Teixeira da Costa

Metade dos brasileiros não sabe que estão com glaucoma

glaucomaRisco de ter glaucoma pode cair em 20% com alimentação adequada.

O glaucoma é uma doença ocular capaz de causar cegueira se não for tratada a tempo, pois 80% não apresentam sintomas no início da doença. Segundo estimativas da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, no Brasil deve haver cerca de um milhão de portadores da doença que é a segunda maior causa de cegueira no mundo – perdendo apenas para a catarata.

A alta pressão intraocular provoca uma lesão do nervo óptico, tirando a visão de forma irreversível. Isto é o glaucoma, uma enfermidade crônica que não tem cura, mas, na maioria dos casos, pode ser controlada com tratamento contínuo, a base de colírio. Quanto mais cedo for o diagnóstico, maiores serão as chances de se evitar a perda da visão, porém, 50% dos portadores desconhecem a doença.

“O glaucoma não apresenta um sinal claro, sendo silencioso no início. O problema vai crescendo e, aos poucos, a pessoa vai perdendo a visão periférica. Quando a visão central é acometida, o campo visual vai se fechando e não tem como recuperar a visão. Alguns pacientes podem manifestar crises no início, apresentando vista embaçada ou perda súbita da visão, dor forte no olho, dor de cabeça, formação de auréolas de arco-íris ao redor de luzes, náuseas e vômitos”, afirma o oftalmologista Fauze Abdulmassih Gonçalves, do departamento de Glaucoma, Catarata e Cirurgia Refrativa do Centro Completo de Oftalmologia.

A orientação é que todo paciente, por mais que enxergue bem, passe por um oftalmologista para uma avaliação de seu nervo óptico e de sua pressão intraocular, principalmente pessoas com histórico familiar, idade avançada, miopia de alto grau e pessoas da raça negra. No caso dos hipertensos e diabéticos a visita ao especialista também deve ser feita com frequência.

Até pouco tempo atrás, quem tinha casos da doença na família mantinha o controle apenas com medição da pressão ocular, mas segundo o oftalmologista Gilberto Boechat, há pouco tempo passaram a pedir uma batelada de exames mais profundos para descartar o surgimento da doença. Ele me pediu os exames e me disse – é o meu caso, meu avô tinha glaucoma –, que existem outras questões mais delicadas e silenciosas que aparecem antes de subir a pressão do olho.

Um estudo feito na Harvard Medical School (Estados Unidos) concluiu que comer verduras diariamente pode baixar o risco de desenvolver glaucoma em 20% ou mais ao longo da vida. A equipe liderada pela médica Jae Kang acompanhou 64 mil pacientes entre 1984 e 2012 e outros 41 mil pacientes entre 1986 e 2014. Todos os homens e mulheres avaliados tinham mais de 40 anos, mas nenhum tinha glaucoma no início do estudo. Depois de 25 anos de acompanhamento, 1.500 pessoas desenvolveram glaucoma. Divididos entre cinco grupos que consumiam verduras e saladas em intensidades diferentes, aqueles que incluíram mais folhas verdes na dieta diária se beneficiaram muito mais. “De modo geral, tudo o que faz mal à saúde e à boa forma como um todo também prejudica a visão. Do ponto de vista da saúde ocular, é possível ingerir alimentos que de fato contribuem para enxergar bem, como: cenouras, folhas verdes, ovos, frutas vermelhas ou cítricas e peixes”, finaliza o médico.

Todo cuidado é pouco.

Isabela Teixeira da Costa

Quando os sogros se metem na vida do casal

Boa convivência
Boa convivência

Em vida de casal ninguém mete a colher, nem os sogros

Tem um ditado que diz que não se deve morar perto da sogra o suficiente para ela ir de chinelo e nem longe a ponto de ela ir de mala. Brincadeira à parte, penso que a intenção é mostrar o risco da convivência excessiva o que leva a uma interferência de terceiros na vida do casal.

Pra mim não existe livro melhor que a Bíblia. Fala sobre tudo, ensina tudo. É a Palavra de Deus. Em Gênesis 2:24 está escrito: “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.”

Esta separação é importante. Isso não quer dizer que nunca mais os filhos verão seus pais, mas significa que é importante uma separação geográfica, emocional e financeira.

Muitos pais intrometem na vida dos filhos depois que casam, tentando evitar que sofram. Na maioria das vezes, ensinam para os filhos atitudes baseados em experiências próprias e traumas vividos por eles, realidades deles e não de seus filhos. Por exemplo: se a mãe foi traída pelo pai, vai ensinar sua filha a seguir o marido, mexer nos bolsos e na carteira quando ele não estiver olhando, etc. Vai colocar caraminholas na cabeça da moça, sem nenhuma necessidade. Um pai mais antiquado vai aconselhar o filho a não ajudar a mulher nas tarefas domésticas, a falar mais alto para ser atendido, etc. E por aí vai.

Tive uma vizinha que se tornou quase uma irmã. Ficamos muito amigas. Porém, ela cometeu alguns erros graves em seu casamento. O primeiro foi não colocar limite em sua mãe e sua sogra. A mãe ligava para ela às 7h da manhã, diariamente. Não tem marido que agüente. A sogra, sempre que a visitava, colocava defeito em sua casa. Ela gostava de um estilo, mas a sogra queria impor o seu estilo de decoração. Chegava com peças completamente diferentes, e a nora era obrigada a colocar em sua casa.

O outro erro – este para mim foi o mais grave –, foi aliviar os gastos da casa para o marido. Como ele era da área financeira, diariamente conferia com ela as despesas da casa, e sempre reclamava bastante a cada gasto. Para evitar o xingatório, começou a pedir a seu pai o custeio de algumas coisas como carne, e outras coisas mais pesadas. Era filha única, o pai não negava. Seu marido nunca soube quanto a família lhe custava de verdade.

A participação excessiva dos sogros na vida do casal, principalmente na vida financeira pode ser desastrosa. Eles podem dizer que o casal gasta muito, compra coisas desnecessárias ou então que é “mão de vaca”. Podem querer palpitar também sobre a frequência que o casal sai para comer fora ou faz programas a dois. E se o casal está apertado financeiramente e o sogro resolve ajudar, é um grande risco, porque se acha no direito de intrometer.

Nem todos os sogros são assim, mas se você está em uma situação parecida, corte o mal pela raiz. Converse logo, com delicadeza, mas se impondo. A interferência, na maioria das vezes é sutil, com intenção de ajudar, mas invasiva. Fique alerta. Na maioria das vezes o problema não é a ajuda, mas a invasão. Não perguntar ao casal se podem fazer o que querem, se o casal quer a ajuda e se aceitam.

Voltando ao versículo bíblico, a separação se dá em três segmentos: separação geográfica que é morar fora da casa dos pais, barracão nos fundos não é morar fora, ok. Isso evita a intromissão. Separação emocional que é se desligar dos pais, estar mais ligado à esposa e ao marido. Se tiver que escolher entre seus pais e seu cônjuge, escolha o cônjuge. Separação financeira significa ser independente financeiramente. Se algum dia precisarem de ajuda, deixem claro que isso não lhes dá o direito da interferência.

Vivam em harmonia com os pais, honrando-os. Se relacionem bem com eles. Mas iniciem uma nova família, independente e cheia de amor.

 

Isabela Teixeira da Costa

Arte popular

A beleza da arte popular brasileira da Ilha do Ferro

Mesmo quem nunca ouviu falar da Ilha do Ferro na imensidão do Rio São Francisco, certamente irá se encantar ao conhecer de perto o artesanato e as esculturas produzidas pelos artesãos simples que vivem lá. Fernando Rodrigues dos Santos, nascido em 1928, conhecido como “Mestre Fernando”, foi o primeiro artesão da ilha, que depois tornou-se um celeiro em arte popular. Ele é considerando por historiadores, colecionadores e críticos, um dos mais importantes artistas populares do Brasil. Hoje, já falecido, continua fazendo sucesso mundialmente com suas inovadoras criações, que chegam a custar de R$ 15 mil a R$ 22 mil. Usando o movimento dos galhos de árvores de mangues, raízes e troncos, criava esculturas e móveis exuberantes e escrevia nas peças personalizando cada uma. As cadeiras criadas por ele assumem um aspecto singular, umas com três pernas, outras com cinco, nenhuma com padrão convencional de móveis.

Iniciou-se no mundo das artes na oficina de fabricar tamancos do pai. Aos 40 anos, construiu uma espreguiçadeira, sua primeira peça de mobiliário. Em 1980, construiu o Bar Redondo, que deu início à sua carreia de escultor e designer de móveis cujas mesas e bancos pareciam esculturas. Expôs no Museu de Arte Popular da Paraíba e na Casa Cor de São Paulo, em 2001, com prêmio para o ambiente do designer Arthur Casa, com a cadeira de três pés e espaldar alto. Uma cadeira do artesão foi exposta na feira de Art-Madrid, Espanha, o que chamou atenção de admiradores de design e colecionadores de todo o mundo.

Uma exposição montada na Loja Inside Mobiliário, com a curadoria de Orlando Lemos – um dos maiores conhecedores e colecionadores de arte popular de Minas –, nos deu o privilegio de ter acesso a algumas peças deste fantástico artista.

Essa é a história de um artesão semianalfabeto, da Ilha do Ferro, que conseguiu criar e desenvolver “design popular brasileiro” com a mesma qualidade e talento dos designers famosos internacionais.

 

“Beija-flor da margem do ribeirinho da praia do amor.

Ele está beijando as árvores todas cheias de flor”

  1. do   AL – F.R.S

 

Flávia Freitas